Ouro ou água? Turismo ou mineração? As cidades históricas de Minas Gerais.

Ouro… O tesouro que propiciou o surgimento e desenvolvimento de muitas cidades históricas mineiras, como é o caso de Ouro Preto, Mariana, São João Del Rei, Tiradentes, Sabará, dentre outras. Hoje estas cidades são destinos turísticos procurados do Brasil e não se sustentam mais por meio da mineração.

Onde estão essas minas? Elas eram perto das cidades? O ouro acabou mesmo? Não tem como tirar nem mais um pouquinho? Bem, vamos por partes.

A localização das minas: as cidades surgiram por causa da extração de ouro. Logo não faz sentido supor que as minas seriam longe das cidades, elas ficavam bem próximas, ou praticamente dentro da cidade. Tem gente que tem jardim, churrasqueira e piscina no quintal de casa e tem gente que tem mina.

Não temos como afirmar se o ouro acabou ou não, mas simplesmente que a extração na maioria dessas cidades foi proibida. Algumas delas, como por exemplo São João Del Rei, possuem diversas minas subterrâneas, ou seja, a cidade é quase oca por baixo. Dá para imaginar que algumas batidinhas a mais podem comprometer a estrutura da cidade.

A verdade é que as condições de trabalho nas minas nunca foram muito boas: ambientes abafados e barulhentos. Algumas minas deixavam até um passarinho dentro e quando esse morria por falta de ar era o sinal de que estava na hora de deixar o local.

DSC04842

O fato é que em um período havia muito ouro por ali e de vez enquanto achavam uns pedacinhos menores, preso em outras pedras e desconheciam como separa-lo, então eram descartados. Esses pedacinhos foram parar no leito dos rios bem misturados com outras pedras. Descobriu-se que poderia separar esse ouro usando mercúrio. Passaram então a garimpar esse ouro dos rios. O processo envolvia a queima do mercúrio, que é extremamente nocivo a saúde do garimpeiro, além de contaminar as águas.

Ouro é ouro. É status, tem um valor. Ouro serve para fazer joia, medalha, ornamentos no geral. Água é água, é fonte de vida. Sem água não há vida. Paga-se barato pela água se comparado ao ouro, mas o que realmente vale mais? Qual o nosso mineral mais precioso? É necessário extrair o ouro mesmo contaminando a água?  Podemos passar a vida inteira sem ouro, mas sem água simplesmente não existiríamos.

Encerrada a extração do ouro, os vestígios da mineração tornaram-se atrativos turísticos. Várias minas encontram-se abertas para visitação, nelas se pode saber um pouco mais desse processo de extração do ouro, além de entender as péssimas condições as quais muitos tiveram que se submeter no processo de extração. Dica: ao visitar uma mina permita-se reconstruir ali um espaço ativo de trabalho na sua imaginação.

 

Algumas minas abertas para visitação:

Mina da Passagem (Mariana): é a maior mina aberta a visitação do mundo. Para entrar é preciso pegar um trolley, uma especie de carrinho. Está localizada na estrada que vai para Ouro Preto.

Mina Chico Rei (Ouro Preto): localizada bem no centro da cidade (R. Dom Silvério, 108 A). Foi aberta por escravos utilizando picaretas.

Mina Tancredo Neves(São João Del Rei): situada no centro da cidade na Rua José Bernardino Silveira (antiga Rua Bica da Prata), n.268/272.

Foi na mina de São João Del Rei com as histórias contadas pelo Fernando que começamos essa nossa reflexão.

DSC04858

Vale ressaltar aqui: ainda há extração legal de metais preciosos no Brasil. A ideia dessa postagem foi apenas refletir sobre as implicações para o meio ambiente com o usos indevidos no processo de extração.

 

 

 

Um comentário em “Ouro ou água? Turismo ou mineração? As cidades históricas de Minas Gerais.

Os comentários estão desativados.